sexta-feira, agosto 31, 2007

Savitri, a enamorada

photo by Wolfgang Tillmans


um dia destes destruo um circo

3 Comments:

Blogger kat_Jam said...

Este poema começa por te comparar
com as constelações,
com os seus nomes mágicos
e desenhos precisos,
e depois
um jogo de palavras indica
que sem ti a astronomia
é uma ciência infeliz.
Em seguida, duas metáforas
introduzem o tema da luz
e dos constrastes
petrarquistas que existem
na mulher amada,
no refúgio triste da imaginação.
A segunda estrofe sugere
que a diversidade de seres vivos
prova a existência de Deus
e a tua, ao mesmo tempo
que toma um por um
os atributos
que participam da tua natureza
e do espaço criador
do teu silêncio.
Uma hipérbole, finalmente,
diz que me fazes muita falta

Pedro Mexia

Por estares longe sinto mais a tua falta do que saber que estás perto, ainda que não junto a mim.
Bom festival paizinho.
Quando voltares o meu beijo de sol está prometido à tua espera.

3:11 da tarde, setembro 07, 2007  
Blogger kat_Jam said...

E teremos que recombinar o repasto. Ainda que o meu carro conntinue "empanado" ...

3:13 da tarde, setembro 07, 2007  
Anonymous Rita G. said...

Então destrói,esperas pelo que!?
Que chova,o elefante se constipe e não haja circo!?

3:39 da manhã, setembro 08, 2007  

Enviar um comentário

<< Home

Free Counter
Web Counters